EMBRAPII e FAPESP assinam acordo para apoio à pesquisa e inovação

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) assinaram Acordo de Cooperação para Pesquisa voltada para o desenvolvimento de tecnologia. O Acordo prevê o financiamento de projetos de pesquisa científica e tecnológica executados em instituições de ensino e pesquisa no Estado de São Paulo com a participação e cofinanciamento de empresas. As duas signatárias irão investir até R$ 40 milhões, divididos igualmente, ao longo de cinco anos.

O apoio da FAPESP será feito no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE), criado em 1994 pela Fundação para cofinanciar pesquisa em cooperação entre pesquisadores ligados a instituições de pesquisa no Estado de São Paulo e pesquisadores de centros de pesquisa de empresas localizadas no Brasil ou no exterior.

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, o apoio à pesquisa no PITE tem aumentado nos últimos anos. “O acordo FAPESP-EMBRAPII vem facilitar a submissão de projetos de pesquisa ao programa FAPESP de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) que estimula a colaboração universidade-empresa em pesquisa exploratória”, disse. “O PITE tem se desenvolvido bastante e em 2015 o valor contratado no programa foi o maior da história da FAPESP, graças aos ousados projetos dos Centros de Pesquisa Aplicada Colaborativa, que unem o Programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) ao PITE. Como resultado esperamos que haja mais oportunidades para grupos de pesquisa em São Paulo se associarem à EMBRAPII”.

Hoje, algumas das empresas parceiras em projetos PITE são GlaxoSmithKline, Microsoft, Embraer, Peugeot-Citroën, AstraZeneca, Natura e Sabesp, entre outras. Cerca de R$ 73 milhões estão contratados para execução completa dos 39 projetos hoje em andamento com participação de 21 empresas de grande porte.

“A parceria é mais um passo para o desenvolvimento de novas tecnologias no país. Vamos aproveitar o conhecimento dos pesquisadores brasileiros e a abrangência da FAPESP para atrair mais empresas que precisam de uma solução inovadora para seus negócios”, disse Jorge Guimarães, diretor-presidente da EMBRAPII.

Fonte: EMBRAPII